Letra da música
Alma de Galpão
Luiz Marenco

CD Filosofia de Andejo (1993)


Esta música está disponível para ouvir

Como faz bem um chimarrão feito a capricho
Quando cevado com o calor da própria mão
A madrugada negaceando mostra a cara
Cheiro de garras e pelegos pelo chão

Como faz bem ouvir o relincho do potro
Lá na magueira a espera do buçal
Baio sebruno, cabos negros de respeito
Que pelo jeito, não nasceu pra ser bagual

Como faz bem tomar um banho na restinga
Vestir as pilchas domingueiras pra passear
Ouvir a gaita de oito baixos resmungando
Adivinhando o pensamento do seu par

Como faz bem sentir o gosto da querência
Ouvir um grito explodindo no rincão
O venha, venha, do tropeiro nas estradas
Rezando a prece, de retorno ao velho chão

Como faz bem lavar a fuça na gamela
Tirar o freio pra depois chimarronear
E o gado manso ruminando junto as casas
E a terneirada num berreiro pra mamar

Como faz bem sentir o cheiro do borralho
Respirar fundo o braseiro do tição
Rio grande velho, que retrata diariamente
Como se forja uma alma de galpão


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

RELINCHO: Som vocal dos eqüinos.

PILCHAS: Peças da indumentária (vestimenta) gaúcha de homem ou de mulher.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) como faz bem um chimarrão feito a capricho quando cevado com o calor da própria mão a madrugada negaceando mostra a cara cheiro de garras e pelegos pelo chão
Filosofia de Andejo de Luiz Marenco

Com uma trajetória de sucesso Luiz Marenco em seu CD Filosofia de Andejo, lançado em 1993, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Luiz Marenco.

Parceiros