Letra da música
Bela Fronteira
Eco do Minuano e Bonitinho

LP Preserve a Natureza (1993)


Esta música está disponível para ouvir

Eu to pensando em dar um pulito na fronteira
Uma saudade me cutuca o coração
Dos tempos buenos de comer churrasco gordo
Das cantorias e dos fandangos de galpão

Café bem quente preparado na cambona
O pão campeiro com manteiga do Uruguai
Ao meio dia vou comer feijão mexido
Que a mãe fazia com carinho pro meu pai

Vou pra fronteira reviver a minha infância
Talvez encontre um amor que deixei lá
Pois a lembrança da primeira namorada
Não há gaudério que não goste de lembrar

Eu não me esqueço dos meu velhos companheiros
Das serenatas e das folias de galpão
Do chinaredo que morava lá no cerro
Que se entregava pro meu toque de violão

Lá na fronteira sempre tem um bailezito
E uma cachaça fabricada em San-Tomé
Se o índio é galo bebe um gole no gargalo
E sai cantando de improviso um chamamé

E um gaitaço pra acordar quem ta dormindo
E um panderaço faz baixar o santo no chão
E dele festa no rincão da Tia Maria
E não tem nada nem que tenha nego Adão


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

CHURRASCO: Comida preferida do gaúcho.

CAMPEIRO: Vivente que monta bem e é hábil no serviço de campo.

GAUDÉRIO: Vivente aventureiro que chegou na Pampa, vindo do Brasil-central; não tinha profissão definida, nem morada certa e não se amarrava ao coração de uma só mulher

RINCÃO: Lugar isolado em fundo de campo.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Eu to pensando em dar um pulito na fronteira Uma saudade me cutuca o coração Dos tempos buenos de comer churrasco gordo Das cantorias e dos fandangos de galpão
Preserve a Natureza de Eco do Minuano e Bonitinho

Com uma trajetória de sucesso Eco do Minuano e Bonitinho em seu LP Preserve a Natureza, lançado em 1993, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Eco do Minuano e Bonitinho.

Parceiros