Letra da música
Ave Maria do Peão
Odilon Ramos

CD Falando em Poesia (0)


Ao reponte do sol que descamba
No dia se aprochega para o arremate
Pelos campos e nos matos da querência
No revoar da bicharada voltando ao ninho
É hora de recolhimento

No rancho que há no interior
De mim mesmo
Eu, gaúcho de fé
Me arrincono e medito

Despindo o poncho da vaidade
E do orgulho
Tiro o chapéu, apago o pito
E me achego pra uma prosa
Com o patrão maior

Na sua presença
Meu sangue quente de farrapo
Se faz manso caudal
Entrego-lhe minha alma
Afoita de alcançar lonjuras
E abrir cancha
Em busca do destino
Renuncio à minha xucra rebeldia
Me faço doce de volta
E macio de tranco
Para dizer-lhe

Gracias patrão
Por tudo que me deste
Por esta querência senhor
Que meus ancestrais regaram
Com seu sangue
E que aprendi a amar desde piá

Pelos meus parceiros
Nessa ronda da vida
Sempre de prontidão para
Me amadrinharem na
Campereada mais custosa
Ou para matearem comigo
Na hora do sossego

Reparte com eles, patrão
Esta fé que me deste
E este orgulho pela minha
Querência

Ajuda patrão
A manter acessa esta chama
Concede sempre ao gaúcho
A força no braço
E o tino pra saber o que
É correto

Dá-nos consciência
Para preservar a nossa cultura
Livre da invasão dos modismos
Conserva a essência e a beleza
Da nossa tradição

E agora, com licença patrão
Que vou aproveitar a olada
Para um dedo de prosa com
Nossa senhora

Ave maria
Primeira prenda do céu
Contigho está o senhor,
Na estância maior
Tu és bendita entre todas
As prendas
E bendito é o piá que
Trouxeste ao mundo, jesus

Maria, mãe de deus
E mãe de todos nós
Roga pela querência
E pelos gaudérios
Que aqui moram
Nesta hora e no instante
Da última cavalgada

Amém


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

RANCHO: Primeira habitação erguida no Continente de São Pedro, edificada com material que abundava no local (leiva, torrão, pedra ou pau-a-pique e barreado), coberto com quincha.

GAÚCHO: Palavra de origem guarany, pois nessa língua não existe vocábulos com o som da letra “L”.

PONCHO: Pilcha, espécie de capa sem abertura e de gola redonda que abriga do frio.

ACHEGO: Amparo, encosto, auxílio, proteção

PATRÃO: A maior autoridade de uma Estância, Fazenda ou CTG.

QUERÊNCIA: Lugar onde se gosta de viver; se quer viver; lugar do bem-querer.

RONDA: Ação de vigilância.

PRENDA: Jóia, relíquia, presente (dádiva) de valor; em sentido figurado, é a moça gaúcha porque ela é jóia do gaúcho.

ESTÂNCIA: Grande estabelecimento rural (latifúndio) com uma área de 4.356 hectares (50 quadras de sesmaria ou uma légua) até 13.068 hectares (150 quadras de sesmaria ou três léguas), dividida em Fazendas e estas em invernadas.

PIÁ: Guri.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Ao reponte do sol que descambano dia se aprochega para o arrematepelos campos e nos matos da querênciano revoar da bicharada voltando ao ninhoé hora de recolhimentono rancho que há no interiorde mim mesmoeu, gaúcho de féme arrincono e meditodespindo o poncho da vaidadee do orgulhotiro o chapéu, apago o pitoe me achego pra uma prosacom o patrão maiorna sua presença meu sangue quente de farrapose faz manso caudalentrego-lhe minha almaafoita de alcançar lonjurase abrir cancha em busca do destinorenuncio à minha xucra rebeldiame faço doce de volta e macio de trancopara dizer-lhegracias patrãopor tudo que me destepor esta querência senhorque meus ancestrais regaramcom seu sanguee que aprendi a amar desde piápelos meus parceiros nessa ronda da vidasempre de prontidão parame amadrinharem na campereada mais custosaou para matearem comigona hora do sossegoreparte com eles, patrãoesta fé que me destee este orgulho pela minhaquerênciaajuda patrãoa manter acessa esta chamaconcede sempre ao gaúchoa força no braçoe o tino pra saber o queé corretodá-nos consciênciapara preservar a nossa culturalivre da invasão dos modismosconserva a essência e a belezada nossa tradiçãoe agora, com licença patrãoque vou aproveitar a oladapara um dedo de prosa com nossa senhoraave mariaprimeira prenda do céucontigho está o senhor,na estância maior tu és bendita entre todasas prendase bendito é o piá que trouxeste ao mundo, jesusmaria, mãe de deuse mãe de todos nósroga pela querênciae pelos gaudérios que aqui moramnesta hora e no instanteda última cavalgadaamém
Falando em Poesia de Odilon Ramos

Divulgando seu trabalho, Odilon Ramos no CD Falando em Poesia, traz ao público que prestigia música gaúcha, que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul, grandes sucessos da música gaúcha. Veja a discografia de Odilon Ramos.

Parceiros