Letra da música
A Gaita do Falecido
Porca Véia

CD Do Mesmo Jeito (2011)


Esta música está disponível para ouvir

Quando eu partir não quero grito e nem choro
Por que eu não quero que a tristeza vá comigo
Peguem minha gaita que pra mim vale um tesouro
E vão tocando até meu derradeiro abrigo

Naturalmente que ao chegar no cemitério
O porteiro não vai deixar entrar tocando
Até ali já fizeram como eu quero
Larguem da gaita e podem continuar rezando

A minha gaita vou deixar como lembrança
Pra algum dos filhos que tiver a vocação
O que eu não quero ela em mão de criança
Andar rolando pelos banco ou pelo chão

Ah minha esposa quero deixar um pedido
Enquanto ela de mim se recordar
Se por ventura arranjar outro marido
Na minha gaita não é pra deixar tocar

Não é ciúme não é nada não é intriga
Pouco me importa depois que eu tenha morrido
Tudo o que eu quero é que o malvado nunca diga
Fiquei com a gaita e a muié do falecido.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Quando eu partir não quero grito e nem choro Por que eu não quero que a tristeza vá comigo Peguem minha gaita que pra mim vale um tesouro E vão tocando até meu derradeiro abrigo
Do Mesmo Jeito de Porca Véia

Porca Véia se notabiliza por manter uma linha artística intocável. Os títulos de seus CDs mostram seu compromisso com a verdadeira música gaúcha, com uma reverência especial ao estilo serrano dos Irmãos Bertussi (aqui, "A Gaita do Falecido", "Sereno da Madrugada" e "Alegria do Rincão"). E neste disco, como um presente, Porca brindou os fãs com alguns achados de outros grandes intérpretes e compositores da nossa terra, como "Cantiga de Ronda" de Telmo de Lima Freitas e "Chamarrita de Galpão" e "Destino de Peão" de Noel Guarany, entre outras preciosidades. CD essencial.

Parceiros