Letra da música
Alvorada Fronteira
Joca Martins

CD Por Ter Querência na Alma (2002)


O tropel da cavalhada
Retumbando no varzedo
Num hino de pago e terra
É um clarim de manhã cedo

Acordando a "pátria-pampa"
Chama a peonada pra lida
Porque o dia pede cancha
No ritual da recolhida

Afloram honra e raiz
Quando se enfrenta um cavalo
Ao som primeiro dos galos
Cá num garrão de país

Esta alvorada fronteira
Que vem brotando dos campos
Apaga a luz das estrelas
E o lume dos pirilampos.

A noite que foi se embora
Toda encilhada de lua
Cedeu poemas pra aurora
Forjando rimas charruas.

Foi madrugar nos açudes
Afogando seua faroís
E a negra luz das quietudes
Rompeu-se às lides de sóis.

Os mates ficam lavados
"se queda" triste o galpão
Quando a silhueta do peão
Troteia pra o descampado.

Um pai de fogo conserva
O braseiro em nostalgia
Mais tarde se vira o mate
Pra o mate do meio-dia.


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

PAGO: Lugar em que se nasce, de origem

MATE: Só é mate se tiver algum jujo (chá) junto com a erva.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) O tropel da cavalhada Retumbando no varzedo Num hino de pago e terra É um clarim de manhã cedo
Por Ter Querência na Alma de Joca Martins

Com uma trajetória de sucesso Joca Martins em seu CD Por Ter Querência na Alma, lançado em 2002, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Joca Martins.

Parceiros