Letra da música
Depois dos Mates
Jader Leal

CD Depois dos Mates (2011)


Esta música está disponível para ouvir

Jader Leal, Mateus Lampert

Sorvo no silêncio dos meus mates
Um aroma de campo e de galpão
A estrada se apequena pouco a pouco
Tenho meu mundo na palma da mão

Lavo a erva pura folha castelhana
Requento a água já fria na cambona
Encilho o mate como quem encilha um sonho
Ligo o rádio e ouço um toque de cordeona

Depois dos mates a alma se “aliviana”
Das distâncias que por sina são malevas
Depois do mates sou a cambona vazia
Que derramou suas saudades sobre a erva

Outro dia já me encontra mateando
Junto à cuia cevo sonhos de esperança
Lembro o mate ao pé do fogo com meu pai
Nas manhãs claras de inverno na estância

Troco alpargatas por sapato e calça reta
E saio manso do meu rancho na cidade
Sigo em frente construindo meu caminho
Deixo as lembranças recostadas no meu mate


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

MATE: Só é mate se tiver algum jujo (chá) junto com a erva.

ENCILHA: São os aperos que vão sobre o lombo do eguariço, somente.

SINA: Destino, sorte.

CAMBONA: Pava

CUCUIA: Além do além.

RANCHO: Primeira habitação erguida no Continente de São Pedro, edificada com material que abundava no local (leiva, torrão, pedra ou pau-a-pique e barreado), coberto com quincha.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Jader Leal, Mateus Lampert Sorvo no silêncio dos meus mates Um aroma de campo e de galpão
Depois dos Mates de Jader Leal

Com uma trajetória de sucesso Jader Leal em seu CD Depois dos Mates, lançado em 2011, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Jader Leal.

Parceiros