Letra da música
Num Silvido
Jader Leal

CD Depois dos Mates (2011)


Esta música está disponível para ouvir

Num fundo de campo
Um posto da estância
Silêncio e distância
São partes de mim
Sou como o vento
Vivendo a meu tempo
Verões e invernos encontram-me assim

No tropel das manhãs
Já de mate lavado
Alço a perna no basto
E procuro o meu eu
Recorrendo invernadas
Não preciso palavras
Num assovio a alma proseia com deus

Se encilho meus potros
Prá sovar as garras
A ânsia dispara
E amadrinha o galope
Assim num silvido
Proseio com o bicho
Voltando “pras casa”
Ao compasso de um trote

Assim é meu mundo
Sem ter solidão
Rancho e galpão
Do jeito que eu quis
Potrada prá encilha
É grande a tropilha
Na paz do campo que me faz feliz

À beira de um fogo
Repenso a vida
Sou parte da lida
E assim vou levando
Campo e eu somos um
Num silvido comum
A solidão tem um preço que pago cantando


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

MATE: Só é mate se tiver algum jujo (chá) junto com a erva.

PAGO: Lugar em que se nasce, de origem

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Num fundo de campo Um posto da estância Silêncio e distância São partes de mim
Depois dos Mates de Jader Leal

Com uma trajetória de sucesso Jader Leal em seu CD Depois dos Mates, lançado em 2011, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Jader Leal.

Parceiros