Letra da música
Bailes do Tempo Antigo
Marines Siqueira

CD Vida Boa (2003)


Esta música está disponível para ouvir

Nos quatros cantos de uma salita campeira
Uma lamparina pendurada nos esteios
Lá na cozinha se ouve ditos e risadas
E na ramada se abre a flor do sarandeios

Pela parede por entre teias de aranha
A janela ganha uma paisagem a lo largo
E um índio véio numa oito soco se arrancha
Pedindo cancha para cantar o nosso pago

Pra onde foram os bailes de chão batido
Onde entretido se bailava a noite inteira
Será que eles se perderam tempo a fora
E só resta agora este bufido de vaneira

Tenho saudades das saudades de outras eras
Tenho taperas nos meus sonhos missioneiros
Tenho saudade mas quem não guarda quem saudade
Da ingenuidade de um bailezito campeiro
Que bom se o tempo desse tempo e voltasse
E repontasse pra nós antigas lembranças
Um pão de forno, um cafezito na cambona
E uma siadona se encondendo atrás das tranças

Pra onde foram os bailes de chão batido
Onde entretido se bailava a noite inteira
Será que eles se perderam tempo a fora
E só resta agora este bufido de vaneira


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

RAMADA: Cobertura tosca de um girau com ramas, para sombreamento ou “baile de ramada”.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Nos quatros cantos de uma salita campeira Uma lamparina pendurada nos esteios Lá na cozinha se ouve ditos e risadas E na ramada se abre a flor do sarandeios
Vida Boa de Marines Siqueira

Com uma trajetória de sucesso Marines Siqueira em seu CD Vida Boa, lançado em 2003, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Marines Siqueira.

Parceiros