Letra da música
Alambrado de Cordas
Telmo de Lima Freitas

LP Tempos de Praça (1993)


Neste alambrado de cordas estirado no violão
Neste alambrado de cordas estirado no violão
As alegrias mateiam no fogo do coração
As alegrias mateiam no fogo do coração

Então começo a cantar canções que nunca cantei
Então começo a cantar canções que nunca cantei
Lembrando ariscas tropeadas das tropas que não tropeei
Lembrando ariscas tropeadas das tropas que não tropeei

E os dedos corcoveiam numa ânsia de afagar-te
E os dedos corcoveiam numa ânsia de afagar-te
Pois no rodeio da vida serás o meu último aparte
Pois no rodeio da vida serás o meu último aparte

E nos singelos acordes que tange meu violão
E nos singelos acordes que tange meu violão
Tua imagem sarandeia no movimento da mão
Tua imagem sarandeia no movimento da mão

Neste alambrado de cordas estirado no violão
Neste alambrado de cordas estirado no violão
As alegrias mateiam no fogo do coração
As alegrias mateiam no fogo do coração

E os dedos corcoveiam numa ânsia de afagar-te
E os dedos corcoveiam numa ânsia de afagar-te
Pois no rodeio da vida serás o meu último aparte
Pois no rodeio da vida serás o meu último aparte


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

RODEIO: Reunião para cuido, que se faz do gado.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Neste alambrado de cordas estirado no violão Neste alambrado de cordas estirado no violão As alegrias mateiam no fogo do coração As alegrias mateiam no fogo do coração
Tempos de Praça de Telmo de Lima Freitas

Com uma trajetória de sucesso Telmo de Lima Freitas em seu LP Tempos de Praça, lançado em 1993, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Telmo de Lima Freitas.

Parceiros