Letra da música
De Estância, Alma e Tempo
Luiz Marenco

CD O Primeiro Canto (2018)


Mate galpão madrugada, a estrela guia nascendo,
E o fogo manso aquecendo um guitarreiro ancestral,
Esse é o crioulo ritual, que um novo dia repete,
Pingos, dobrando o topete, na testeira do bucal.

Esporas acordam cedo os laços voltam aos tentos
Incomparáveis momentos neste rincão de mi flor
O gado no parador dispersa ao tranco por lote
E um potro verga o cogote pateando no maneador

Na costa a sombra espichada dos santa fés acordando
Pelos de lontra brilhando nas barrancas da lagoa
E assim a vida encordoa sobre o lombo da manhã
Enquanto um grito tajã pelo varzedo ressonga

Picadas de contrabando adoçadas de pitanga
Os matos costeando sangas rastro de sorro na areia
Junto as ressacas das cheias ossamentas encalhadas
De alguma rês atolada numa cruzada mais cheia

Esses campos me conhecem de outros tempos vividos
Quando vibravam sonidos do bombo índio chamando
E as boleadeiras tombeando os fletes dos invasores
Entre amargos estertores da minha raça peleando.

Cada estância fronteiriça é um fortim de liberdade
De pátria e dignidade que o mundo reconheceu
Quando o rio grande nasceu eu já andava a cavalo
Suando contra um vassalo que quis tomar o que é meu

Por isso as vozes que ouço de tempos imemoriais
São mensagens fraternais pra quem renasceu agora
Por isso minha alma aflora em cada coisa que penso
E deixa um rastro de incenso pra exalar campo a fora

E permaneço gaúcho porque a essência perdura
Templa rude alma pura que a história conhece a fundo
Mesmo pequeno e inundo de imperfeições deste plano
Eu me sinto o ser humano mais genuíno do mundo
Mas genuíno do mundo


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

MATE: Só é mate se tiver algum jujo (chá) junto com a erva.

GALPÃO: Tipo de edificação que com o rancho forma um conjunto habitacional no RGS; numa Estância ou numa Fazenda, abriga o alojamento da peonada solteira, os depósitos de rações, almoxarifados, apetrechos, aperos, galpão-do-fogo, etc.

CRIOULO: Filho de origem estrangeira, nascido aqui. Pode ser filho de branco, de amarelo ou de preto, não importa a raça ou a cor.

RINCÃO: Lugar isolado em fundo de campo.

TRANCO: Andadura lenta dos eguariços.

POTRO: Cavalo novo que ainda não levou lombilho.

COGOTE: Nuca.

SORRO: Cachorro selvagem do banhado.

RÊS: Animal vacum.

ESTÂNCIA: Grande estabelecimento rural (latifúndio) com uma área de 4.356 hectares (50 quadras de sesmaria ou uma légua) até 13.068 hectares (150 quadras de sesmaria ou três léguas), dividida em Fazendas e estas em invernadas.

GAÚCHO: Palavra de origem guarany, pois nessa língua não existe vocábulos com o som da letra “L”.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Mate galpão madrugada, a estrela guia nascendo, e o fogo manso aquecendo um guitarreiro ancestral, esse é o crioulo ritual, que um novo dia repete, pingos, dobrando o topete, na testeira do bucal.
O Primeiro Canto de Luiz Marenco

Com uma trajetória de sucesso Luiz Marenco em seu CD O Primeiro Canto, lançado em 2018, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Luiz Marenco.

Parceiros