Letra da música
De Estância e Saudade
Luiz Marenco

CD O Primeiro Canto (2018)


Senti um nó na garganta
Quando saí da querência
Tantas memórias recuerdo
Que a alma velha acalanta
E passam despercebidos
Só se fazendo presentes
Quando a saudade maleva
No peito sente a distância

Acácia velha da estância
Do adeus da minha partida
Esperançavam um retorno
Com flores amareladas
No galpão dos meus arreios
Pelas guascas engrachadas
Domavam potra da alçada
No lombo dos meus anseios

Refrão
Quando mirei as esporas
Estrelas largas de sonhos
Pelas formas das rosetas
Senti que a vida aragana
Também rodava despersas
Como os destinos imersos
Nas tristezas das partidas
E alegrias dos regressos

Cada pedra do terreiro
Relembrava qualquer coisa
De algum passado remoto
Num recurdo caborteiro
E alma velha da estância
Gritava em todos os lados
Em contra-pontos calados
Aos berros das minhas ancias

Da tropilha do destino
Embuçalei a saudade
Que já vinha laço a fora
Na mangueira da minha alma
Não tive sorte na doma
E hoje é potro caborteiro
Que corcoveia no peito
Quando o recurdo retoma

Refrão 2x


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

GALPÃO: Tipo de edificação que com o rancho forma um conjunto habitacional no RGS; numa Estância ou numa Fazenda, abriga o alojamento da peonada solteira, os depósitos de rações, almoxarifados, apetrechos, aperos, galpão-do-fogo, etc.

TROPILHA: Coletivo de cavalos.

LAÇO: Apero (acessório) trançado de couro cru, composto de argola, ilhapa, corpo e presilha.

MANGUEIRA: Grande curral.

POTRO: Cavalo novo que ainda não levou lombilho.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Senti um nó na garganta Quando saí da querência Tantas memórias recuerdo Que a alma velha acalanta
O Primeiro Canto de Luiz Marenco

Com uma trajetória de sucesso Luiz Marenco em seu CD O Primeiro Canto, lançado em 2018, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Luiz Marenco.

Parceiros