Letra da música
Vaneira da Minha Terra
Valdomiro Maicá

CD O Melhor de Valdomiro Maicá (2016)


(letra: Salvador Lamberty/Alberi Lamberty | música: Valdomiro Maicá)

Na minha terra, quando ronca uma cordeona
As querendonas já me tiram pra dançar
Eu me entrevero com as loiras e morena'
E a noite fica pequena pra quem gosta de dançar
É nas missões que os bailes são animados
Não me faço de rogado e já entro na folia
Até o gaiteiro se tapa de polvadeira
Quando toca uma vaneira do saudoso tio bilia

Sou missioneiro da fibra de tiaraju
Nasci xiru e fandangueiro de parelha
Honro meu sangue, com arruda fui benzido
E me orgulho em ter nascido no chão da terra vermelha

Na minha terra a vaneira é como um hino
Qualquer ladino se perfila no carreiro
Ritual modesto, sem requinte ou alarido
Um chão batido iluminado por candieiro
As belas prendas balançam que nem piráguas
Ouvindo as águas das enchentes do uruguai
Agarro a gaita, já tobiana pela idade
Para matar a saudade dos tempos do velho pai

Sou missioneiro da fibra de tiaraju...

Abro meu peito no estilo do cenair
Não vou mentir, me pareço com noel
Até os morto' se mexem nas catacumbas
E a voz retumba na torre de são miguel
Marca gaúcha passada de pai pra filho
Velho estribilho repontando as emoções
Eu e a vaneira temos sortes divididas
Ninguém duvida que também sou das missões

Sou missioneiro da fibra de tiaraju...


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

ENTREVERO: Mistura e confusão de pessoas, animais ou coisas.

XIRU: índio ou caboclo. Na língua tupi quer dizer "meu companheiro"

Compartilhe

(letra e música para ouvir) (letra: salvador lamberty/alberi lamberty | música: valdomiro maicá) na minha terra, quando ronca uma cordeona as querendonas já me tiram pra dançar

Parceiros