Letra da música
Não Deixem o Circo Morrer
Flávio Mattes

LP Apêlo (1982)


Leonardo
Guarania

Alo meus amigos que vivem no circo
Levando alegria a todas as crianças
Só eu que conheço o teu sacrifício
Tuas alegrias e desesperanças
Já vive no circo, já passei trabalho,
Já pintei a cara pra ganhar o pão
Conhecendo a luta de tua existência
Cantando te faço minha referencia
Com todo carinho te chamo de irmão

Artista de circo
Eu que te conheço sei bem que tu és
Para que nos sinta o mundo a teus pés
Eu penso que falo na canção que fiz
O teu pagamento
É sentir o riso das nossas crianças
Ver em cada rosto a cor da esperança
E ouvir o aplauso que te faz feliz.

Quando vou no circo cantar minhas modas
E vejo o palhaço de cara pintada
Adoçando a vida de cada pessoa
Caindo com graça, contando piada
Eu olho no rosto de cada criança
Que ri do palhaço com riso de amor
O riso de um filho é nossa verdade
Eu faço um apelo para a humanidade
Não deixe o circo morrer por favor.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Leonardo Guarania Alo meus amigos que vivem no circo
Apêlo de Flávio Mattes

Com uma trajetória de sucesso Flávio Mattes em seu LP Apêlo, lançado em 1982, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Flávio Mattes.

Parceiros