Letra da música
Alma Gaúcha
Clóvis Mendes

CD Alma Gaúcha (2000)


Autor: mauro moraes

eu tenho alma das antigas carreteadas
sorvendo léguas de estradas no tranco lerdo do boi
vivência rude, semeadeira de querência
que por rangir existência insiste que não se foi.

eu tenho alma de bagual de queixo atado
bem cozido e despachado na doma tradicional
serviço bruto, de paciência e fundamento,
quando arrocha sentimento junto ao tento do bocal

eu tenho alma de rodeio bem parado
quando mangueira trançado subia cortando rastro
e o peão campeiro se escondendo na presilha
recomendava a tordilha que vinha embaixo dos bastos

(talvez por isso eu seja um pouco intransigente
com essas coisas diferentes, com essa mania do novo,
pois não me esqueço de buscar a evolução,
sustentando a tradição e a cultura do meu povo.) bis

eu tenho alma de bailongo de candeeiro
quando só gaita e pandeiro faziam festa grongueira
e a madrugada se luzia querendona
admirando a sia dona com olhos de lua inteira

eu tenho alma de fumaça de braseiro,
de cerração e palheiro perfumado à figueirilha,
do galpão tosco, pau a pique bem quinchado,
do mate amargo jujado com carqueja ou maçanilha.

eu tenho alma de um domingo de carreira,
cancha reta na fronteira, sombra de rancho e ramada,
lá donde a tava bem ferrada se floreia
pra viajar na volta e meia campeando suerte clavada

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Autor: mauro moraes eu tenho alma das antigas carreteadas sorvendo léguas de estradas no tranco lerdo do boi
Alma Gaúcha de Clóvis Mendes

Com uma trajetória de sucesso Clóvis Mendes em seu CD Alma Gaúcha, lançado em 2000, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Clóvis Mendes.

Parceiros