Letra da música
Baile Nativo
Volnei Gomes

CD Cantor e Campeiro (2012)


(Volnei Gomes/Éder Oliveira "Nativo")

Quando o sol baixa, trazendo a noite matreira
E o choro da três ilhera' me enfeitiça o coração
Chega às cacharpas num bagual de queixo atado
Que nestes campos dobrados anda encurtando o rincão
Poncho assoleado na garupa do azulego
Garantia de sossego se a chuva chegar de fato
Sombrero negro desabado das "arage"
E um facão véio "selvage" prum modo de um desacato

Estrada afora batendo espora e estribo
Se tiver baile nativo já me apeio na ramada
Deixo o matungo se escorando na maneia
E o clarão da lua cheia, contemplando a madrugada

Na estância véia tem serviço o mês inteiro
Mas na folga de domeiro deixo a canseira na sanga
E ganho o mundo no compasso das chilenas
Pra bailar com uma morena dos lábios cor de pitanga
As rosilhonas vem sovada' do serviço
Mas conhece' o reboliço se a polvadeira levanta
Abano o pala bailando milonga e tango
Que eu me adono do fandango depois dum samba com Fanta

Estrada afora batendo espora e estribo...

A noite grande se debruça na cancela
E as esporas tagarela' no garrão da gauchada
Ponchos e capas dependurados num gancho
Na varanda em frente o rancho, negaceando a madrugada
Chora a cordeona no seu último suspiro
E eu, que nem pingo de tiro, vou pras casa' do povoeiro
Com a morena que caiu no meu agrado
Que eu sou loco de aporreado, mas gosto de andar faceiro

Estrada afora batendo espora e estribo...

Compartilhe

(letra e música para ouvir) (Volnei Gomes/Éder Oliveira "Nativo") Quando o sol baixa, trazendo a noite matreira E o choro da três ilhera me enfeitiça o coração
Cantor e Campeiro de Volnei Gomes

Com uma trajetória de sucesso Volnei Gomes em seu CD Cantor e Campeiro, lançado em 2012, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Volnei Gomes.

Parceiros