Letra da música
Santuário de Xucros
Os Monarcas

DVD Ao Vivo 40 Anos (2012)


Assim começa o surungo mesclando fumaça e poeira
Porta do quarto entupida e a mulherada em fileira
Branca morena e mulata casada viúva e solteira
Loucas pra coçar o garrão num manquejar de vaneira

(E nisso se ouve um grito indiada vocês me ouçam
Dá uma folguita pros velhos e saiam de riba das moça)

Feito de cinza e cupim no chão batido da sala
Piso bom igual aquele granfino nenhum iguala
Santuário da tradição da xucra raça baguala
Parede de pau-a-pique guincha furada de bala

E assim num torcer de queixo se guasqueia um contrapasso
Desses de torrar badana numa tarde de mormaço
E o chinaredo se gruda igual pepino no barasco
Vão empurrando as paletas e retovando os espinhaço

E quando o zóio da lua vem me bombear nesse rancho
Na cordeona duas falas numa vaneira eu remancho
Raiz de cerne pampeano o qual o tronco eu me arrancho
No lombo do verso xucro com capricho eu me esgancho

A meia noite uma polca pra damas pra um arremate
Pra ver quem gosta de quem e o verso faz o combate
Depois vão lá pra cozinha pra descansar o alcatre
Pra comer feijão e mexido e guerrudo com chá de mate


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

SURUNGO: Baile de baixa categoria.

GUINCHA: Arcaico de GUEXA (japonês) - Potranca, poldra.

BADANA: Apero de sola para proteger os forros dos arreios.

CHINAREDO: bordel; onde fica o chinaredo

PAMPEANO: Habitante da Pampa.

XUCRO: Selvagem.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Assim começa o surungo mesclando fumaça e poeira Porta do quarto entupida e a mulherada em fileira Branca morena e mulata casada viúva e solteira Loucas pra coçar o garrão num manquejar de vaneira

Parceiros