Letra da música
Amargurado
Sinuelo Pampeano

CD Na Carona da Vanera (2005)


Milonga dos meus tormentos quando ao relento da noite
Sinto no peito os açoites das mágoas que me entristece
São dois amigos que vivem a sofrer na mesma hora
É um violão que chora e um coração que padece.

Cada ponteado recordo como uma voz que me fala
Aquelas noites de baile quando eu dançava com ela
E o ritmo da milonga console meu abandono
Nas noites que perco o sono relembrando a minha bela.

Quem não conhece o desprezo meu viver não imagina
Quando eu clamo minha sina muita gente diz que eu minto
Aquela que eu tanto adoro nos braços de outro se prende
E finja que não compreende as amarguras que eu sinto.

Me resta aguardar no peito amargas recordações
Este mundo de ilusões de tanta coisa é composto
Enquanto eu vivo sozinho padecendo amargamente
Outro vive tão contente a custa do meu desgosto.

Ela nos braços de outro leva a vida entre prazeres
Não lamenta os padeceres deste coração sozinho
As noites delas são doces, as minhas amargas e longas
Por isso canto milongas abraçado no meu pinho.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Milonga dos meus tormentos quando ao relento da noite sinto no peito os açoites das mágoas que me entristece são dois amigos que vivem a sofrer na mesma hora É um violão que chora e um coração que padece.
Na Carona da Vanera de Sinuelo Pampeano

Com uma trajetória de sucesso Sinuelo Pampeano em seu CD Na Carona da Vanera, lançado em 2005, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Sinuelo Pampeano.

Parceiros