Letra da música
Máguas do Poeta
Teixeirinha

LP Entre a Cruz e o Amor (1971)


Todo poeta quando a mulher vai embora
ele se clama ele chora as mágoas no violão
as suas frases o cano d´agua furou
sabiá não mais cantou sua casa é solidão
diz que as flores o seu perfume perdeu
sua roseira morreu é triste o seu coração
//: diz que a lua atrás da nuvem se esconde
mora lá não sei aonde por ver a sua paixão: //
pobre poeta diz que o canário morreu
papagaio emudeceu e se atirou na bebida
diz que o gato se sumiu mato a fora
o cachorro foi embora não tem quem faça a comida
da sua amada ele reclama o carinho
e que deixou o filinho chorando na despedida
//: diz que o jardim é triste na primavera
o rancho virou tapera partiu a mulher querida: //
poeta eu sou depois que a minha partiu
meu corpo teve arrepiu gasto menos que a metade
meu violão mais alegre continua
mais clara ficou a lua o filho não tem saudade
meu coração meu jardim é uma beleza
meu rancho não tem tristeza voltou a felicidade
//: não bebo nunca borracheira não convém
a mulher vai outra vem isso é bom barbaridade: //
eu sou poeta, mas um poeta prá frente
estou feliz bem contente e não canto apaixonado
o cano d´agua corre água não corria
o cão ladra o gato mia dela não tem se lembrado
minha roseira agora ela dá mais rosa
o canarinho é mais prosa o sabiá canta dobrado
//: o papagaio não chama ele só grita
quer trocar de caturrita invejoso este danado: //

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Todo poeta quando a mulher vai embora ele se clama ele chora as mágoas no violão as suas frases o cano d´agua furou sabiá não mais cantou sua casa é solidão
Entre a Cruz e o Amor de Teixeirinha

Com uma trajetória de sucesso Teixeirinha em seu LP Entre a Cruz e o Amor, lançado em 1971, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Teixeirinha.

Parceiros