Letra da música
Baile de Fronteira
Luiz Carlos Borges

LP Solo Livre (1987)


É num baile de fronteira que a gente pode aprender
Esse balanço safado de se dançar chamamé
Tem que ter manha no corpo, pra sapatear tem que ter
Tranco de sapo baleado e jeitão de jaguaretê
Tudo começou em corrientes, num baile, veja você
Também se orelhava um truco, que é um modo de se entreter
Um ás que sobrou na mesa bastou pra coisa ferver
A cachaça brasileira alguma culpa há de ter
Se foi tiro ou cimbronaço, pago pra ver
Deixa que venha no braço pra se entender
Se o facão marca o compasso, deixa correr
Enquanto sobrar um pedaço vamo metê
O gaiteiro era buerana, não deixou o baile morrer
Parou um valseado de seco e sapecou um chamamé
Ficou só um casal dançando, gritando oiga-le-tê
Que por quatro ou cinco tiros, não vamos se aborrecer
Dançar na ponta da adaga não é tomar tererê
Tem que cordear pros dois lados, fazendo o poncho esconder
Daí surgiu esse tranco que foi até o amanhecer
Quanto mais corria bala, melhor ficava pra ver
Se foi tiro ou cimbronaço, pago pra ver
Deixa que venha no braço pra se entender
Se o facão marca o compasso, deixa correr
Enquanto sobrar um pedaço vamo metê


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

PAGO: Lugar em que se nasce, de origem

PONCHO: Pilcha, espécie de capa sem abertura e de gola redonda que abriga do frio.

TRANCO: Andadura lenta dos eguariços.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) É num baile de fronteira que a gente pode aprender esse balanço safado de se dançar chamamé tem que ter manha no corpo, pra sapatear tem que ter tranco de sapo baleado e jeitão de jaguaretê
Solo Livre de Luiz Carlos Borges

Com uma trajetória de sucesso Luiz Carlos Borges em seu LP Solo Livre, lançado em 1987, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Luiz Carlos Borges.

Parceiros