Letra da música
"Dois Dedos de Prosa"
Os Monarcas

CD Série Duplo para Você (2005)


Esta música está disponível para ouvir

Oh de casa! com licença
Parceiro de campereadas
Trago poeira das estradas
Além da canseira imensa
Agora na sua presença
De alma tão generosa
Peço dois dedos de prosa
Antes que o tempo me vença.

Venho de tempos antigos
Onde as consciências nasciam
E os homens também viviam
Querendo ser bons consigo
E depois de andar comigo
Por este mundo de Deus
Encontrei poucos dos seus
Que dão valor pra um amigo.

Assim como o changueador
Ganho a vida como tantos
Não creio em todos os santos
Nem confio em maneador.

Mania de trançador
De laço, rédea e maneia
(Quem cobiça a flor alheia
A sua muda de cor)

Não vê que nasci campeiro
No cerro das arumbevas
Quebrei queixo de malevas
Arrucinei caboteiros
Agora, aqui no povoeiro
Descobri com os pequenos
Até a honra vale menos
Quando se fala em dinheiro.

Quem sabe consigas ver
Rufar de cascos, bufido
Cantar de galo, alarido
Antes da luz renascer
Os que vivem do poder
São mestres da outra ponta
Nem ao menos se dão conta
Que o importante é o saber.

Assim como o changueador
Ganho a vida como tantos
Não creio em todos os santos
Nem confio em maneador.
Mania de trançador
De laço, rédea e maneia
(Quem cobiça a flor alheia
A sua muda de cor)


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

RÉDEA: Apero de couro (torcido, trançado ou chato) preso às gambas do freio, que servem para governar os eguariços.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Oh de casa! com licença Parceiro de campereadas Trago poeira das estradas Além da canseira imensa

Parceiros