Letra da música
Achando Que A Vida é Bela
Berenice Azambuja

LP Volume 8 (1984)


Ando sofrendo bastante com a água na costela
A fome chegou na porta e por lá fez sentinela
A miséria nos pegou eu não posso mais com ela
Mas ando alegre contente achando que a vida é bela

Não te ajusta vivente a vida é dura mais é bela

O xirú me abandonou fiquei lavando panelas
Crianças que tanta fome andam mostrando as costelas
No guri deu o sarampo na menina varicela
Mas ando alegre contente achando que a vida é bela

Hahahaha...esta vida é engraçada

Agora arrumei outro ciumento além de banguela
Quando eu visto as minhas pilchas já se vai lá pra janela
E fica me destratando fica coçando as canelas
Eu agüento tudo isto achando que a vida é bela

Não há de for nada que se for seja


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

VIVENTE: Indivíduo, criatura, pessoa.

XIRÚ: Vivente amigo e companheiro; é um vocábulo síntese da palavra CHE (amigo) e da palavra IRÚ (companheiro).

GURI: menino, garoto (Se usa em outras partes do Brasil)

PILCHAS: Peças da indumentária (vestimenta) gaúcha de homem ou de mulher.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Ando sofrendo bastante com a água na costela a fome chegou na porta e por lá fez sentinela a miséria nos pegou eu não posso mais com ela mas ando alegre contente achando que a vida é bela
Volume 8 de Berenice Azambuja

Com uma trajetória de sucesso Berenice Azambuja em seu LP Volume 8, lançado em 1984, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Berenice Azambuja.

Parceiros