Letra da música
Baile Costeiro
Valdomiro Maicá

CD Acervo Gaúcho (2000)


Baile costeiro
Tchê barbaridade
Tomei um banho de sanga
E passei água de cheiro
Que eu ia botar a canga
Num baile solto e faceiro
Dança assim no amalandra
Cantos e uma calhandra
Frestado a luz de candeeiro
Montei num pingo leviano
E me banzei pro entrevero
Pois nunca vi de cigano
Em braço de missioneiro
E num galope vaqueano
Como sopro do minuano
Cheguei num baile costeiro

Refrão:
Dele boca, dele gaita
No fole que vem e vai
Vim alegrando a barranca
La na costa do uruguai
E o gaiteiro balseiro
Só gritava assim no mas
Quem ta lá fora não entra
Quem taqui dentro não sai (2x)


Este baile não parava
Nem pra mulher no salão
E a vaneira alevantava
Sem escolher direção
E era lindo o sarandeio
Da china la pelo meio
Saudando meu coração
E quando clareava o dia
E o fole tava cansado
Bem de pressa eu dizia
Não podes ficar parado
E o gaiteiro que era um taita
Surrado de alça de gaita
Amanusia do teclado

Refrão:
Dele boca, dele gaita
No fole que vem e vai
Vim alegrando a barranca
La na costa do uruguai
E o gaiteiro balseiro
Só gritava assim no mas
Quem ta lá fora não entra
Quem taqui dentro não sai (2x)


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

PINGO: Afetivo de cavalo de estimação.

ENTREVERO: Mistura e confusão de pessoas, animais ou coisas.

GALOPE: Tipo de andadura de velocidade média (nem rápida e nem ligeira = moderada) dos eguariços.

CHINA: Mulher mameluca (primeira companheira do gaúcho).

TAVA: O osso do jogo-do-osso.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Baile costeiro tchê barbaridadetomei um banho de sangae passei água de cheiroque eu ia botar a canganum baile solto e faceirodança assim no amalandracantos e uma calhandrafrestado a luz de candeeiromontei num pingo levianoe me banzei pro entrevero pois nunca vi de cigano em braço de missioneiroe num galope vaqueanocomo sopro do minuanocheguei num baile costeirorefrão:dele boca, dele gaitano fole que vem e vaivim alegrando a barrancala na costa do uruguaie o gaiteiro balseirosó gritava assim no masquem ta lá fora não entraquem taqui dentro não sai (2x)este baile não paravanem pra mulher no salãoe a vaneira alevantavasem escolher direçãoe era lindo o sarandeioda china la pelo meiosaudando meu coraçãoe quando clareava o diae o fole tava cansadobem de pressa eu dizianão podes ficar paradoe o gaiteiro que era um taitasurrado de alça de gaitaamanusia do tecladorefrão:dele boca, dele gaitano fole que vem e vaivim alegrando a barrancala na costa do uruguaie o gaiteiro balseirosó gritava assim no masquem ta lá fora não entraquem taqui dentro não sai (2x)
Acervo Gaúcho de Valdomiro Maicá

Com uma trajetória de sucesso Valdomiro Maicá em seu CD Acervo Gaúcho, lançado em 2000, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Valdomiro Maicá.

Parceiros