Letra da música
Companheira Amiga
Gildo de Freitas

LP Gildo de Freitas - Rei do Improviso (1972)


Sanfona inda me lembro de tudo que fez por mim
Por este mundo sem fim nos meus tempos de rapaiz
Hoje de idade alcançada já quase no fim da vida
Com as forças quase vencidas, mas eu não te esqueço mais
E eu não poderia esquecer esquecendo deus me castiga
É a minha obrigação tratar bem desta minha amiga

Tu sempre foi minha amiga nas horas bonita e feia
Nos hospitais e na cadeia sempre estiveste a meu lado
Me sinto bem, ó sanfona estando junto contigo
Tu tem deste teu amigo tanto segredos guardado
Ó minha sanfona querida eu morro te querendo bem
Porque os meus segredos na vida tu nunca contaste a ninguém

Quero levar-te comigo sanfona no meu caixão
Tu vai ser a inspiração da alma do meu defunto
Se na outra encarnação a divina providência
Nos permitir a licença nós voltaremos os dois junto
E este é todo meu desejo te levar junto a meu peito
Para te ouvir lá no céu tocando do mesmo jeito

Quantos corações de china que ficaram apaixonados
Ao ouvir os teus teclados tocados pelo teu dono
Sanfona para que eu possa te provar que eu sou teu amigo
Quero te levar comigo no meu derradeiro sono
Só eu sei, ó sanfona amiga comigo que tu passou
Se não fosse tu, ó sanfona eu não seria o que sou

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Sanfona inda me lembro de tudo que fez por mim Por este mundo sem fim nos meus tempos de rapaiz Hoje de idade alcançada já quase no fim da vida Com as forças quase vencidas, mas eu não te esqueço mais
Gildo de Freitas - Rei do Improviso de Gildo de Freitas

Com uma trajetória de sucesso Gildo de Freitas em seu LP Gildo de Freitas - Rei do Improviso, lançado em 1972, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Gildo de Freitas.

Parceiros