Letra da música
Bota Desafio Nisso
Teixeirinha

LP Menina Margareth / Vida e Morte (1980)


Vem cá Mary Terezinha
Não vamos nos exibir
Tu me vence ou te venço
Nós temos que decidir
Desafio entre nós dois
O Brasil para pra ouvir

O Brasil para pra ouvir
Põe desafio nisso aí
Tu é o maior cantador
Regionalista que eu vi
Não tem vergonha na cara
Os que falam mal de ti

Os que falam mal de mim
Ó Mary muito obrigado
Eu sei que injustamente
Tenho sido criticado
Mas eu não posso dar bola
Prá cachorro recalcado

Pra cachorro recalcado
Frustrado e sem capricho
Faz muito bem Teixeirinha
Não dar bola pra cochicho
Depois que eles te criticam
Vão virar lata de lixo

Vão virar lata de lixo
Pra ver se encontra um osso
Depois que enche a barriga
Engrossa bem o pescoço
Vão pro jornal e pro rádio
Uivar dizer que sou grosso

Uivar dizer que és grosso
Estes cães têm pouca raça
Não passam de vira latas
Que corre até a fumaça
Enquanto eles vão latindo
Tua caravana passa

Minha caravana passa
Pra dar show e vender disco
Batendo o recorde de tudo
Deixando os cães sobre o cisco
Sem o risco de divisa
E sem divisa de risco

E sem divisa de risco
Já demos nossa resposta
Agora é com nós dois
Não sei se gosta ou não gosta
Teixeirinha te prepara
Que lá vai pau pelas costa

Que lá vai pau pelas costa
Agora é com nós dois
O que é pra fazer hoje
Não se deixa pra depois
Só não quero que a carreta
Ande na frente dos bois

Ande na frente dos bois
Mas hoje a carreta cruza
Levo toda a tua roupa
Camisa, calça e a blusa
Só não te levo outra coisa
Porque sei que tu não usa

Porque sabe que eu não uso
De naylon nem de flanela
Antigamente eu usava
Embora muito singela
Agora não tô usando
Porque emprestei pra ela

Porque emprestou pra mim
Agora eu te dou um nó
Meu povo ouça a verdade
De calça ele anda só
Se acaso estiver usando
Ele herdou da minha avó

Eu herdei da tua avó
Me vê da cabeça aos pés
Ontem fui a uma loja
E comprei pra mais de dez
E tu por não ter dinheiro
Vai andar de top-lees

Vou andar de top-lees
Eu sou mulher de vergonha
O meu maiô é inteiro
Teixeirinha não se oponha
E sei que quando tu dormes
Molha a cama quando sonha

Molho a cama quando sonho
Essa mentira é enorme
A Mary é que toda a noite
Muda dois três uniformes
Porque amanhece molhado
Só no lugar que ela dorme

Só no lugar que eu durmo
Do lado dele derrama
Troca de lado comigo
Suspira e diz que me ama
Teixeirinha te segura
Se não apodrece a cama

Se não apodrece a cama
Diz que é eu mas tu não prova
No disco não cabe mais
Chega ao fim a nossa trova
O Mary vamos pra casa
Comprar uma cama nova

Comprar uma cama nova
Não tem culpa o Teixeirinha
E culpa também não tem
Dona Mary Terezinha
O culpado disso tudo
É o gato da vizinha.


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

CARRETA: Veículo rústico e primitivo meio de transporte coletivo ou de cargas que chegou aqui no Pago Gaúcho, vindo dos romanos para a península Ibérica, tendo origem na Mesopotâmia.

POVO: Vila, distrito.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Vem cá mary terezinha não vamos nos exibir tu me vence ou te venço nós temos que decidir
Menina Margareth / Vida e Morte de Teixeirinha

Com uma trajetória de sucesso Teixeirinha em seu LP Menina Margareth / Vida e Morte, lançado em 1980, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Teixeirinha.

Parceiros