Letra da música
Alma e Campeirismo
João Luiz Corrêa

CD Campeirismo 5 (2005)


Sou de uma estirpe deste meu povo bem guapo
Que taco a taco traz a verdade de um pago
Plantando cantos nos galpões do crioulismo
Velho xucrismo que se mantém a lo largo

As rosilhonas tão carcando na campanha,
Mantendo a manha de um campeirismo curtido
Segue o bandão destes costumes e maneiras
Pela porteira da cultura e o seu sentido

Refrão:
Então me orgulho de ter nascido gaúcho
Taura repuxo, enraizado neste canto
Num bate-casco de boquea barba-de-bode
Não há quem rode nesta raça eu te garanto.

Nossos rincões trazem um lenço no pescoço
É um colosso se ter personalidade
Na capital os gaúchos vão pra os bosques
Passar à tarde, sofrenando uma saudade

Este atavismo que mora no nosso sangue
Faz do rio grande um estado com consciência
Manter legados cultivando a própria história
É a nossa glória, somos xucro da querência


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

POVO: Vila, distrito.

RETACO: Vivente de pequena estatura, porém, entroncado e forte.

PORTEIRA: Espaço seccionado numa cerca.

XUCRO: Selvagem.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) sou de uma estirpe deste meu povo bem guapo que taco a taco traz a verdade de um pago plantando cantos nos galpões do crioulismo velho xucrismo que se mantém a lo largo

Parceiros