Letra da música
A Gaita Velha Do Seu Ary
Teixeirinha

LP Que Droga de Vida / Infância Frustrada (1982)


Tenho saudades da minha terra
em cima da serra onde eu nasci
a verde mata temperou meu sangue
por isso nunca eu te esqueci

ainda ouço o inhamdú piando
imaginando a verde mata
as saracuras cantando em festa
nas águas puras de uma cascata

refrão
ouço tinido da oito baixos
da gaita velha do seu ary
fazendo eco dentro da noite
o som mais alto que já ouvi

o sol desponta por trás da mata
o dia cresce a tarde vem
a noite desce céu estrelado
canta o roceiro lembrando alguém

o galo canta o outro responde
na vizinhança de madrugada
que coisa linda é amanhecer
com a sinfonia da passarada

refrão

as noites lindas de lua cheia
iluminou a minha infância
alto da serra mãe natureza
sonho contigo cá na distância

lá eu nasci e lá eu fiquei moço
lá aprendi a dançar a rancheira
lá conheci o meu primeiro amor
uma serrana linda e faceira

refrão

saí no mundo deixei a serra
toda florida na primavera
a casa branca onde eu nasci
hoje é tristeza virou tapera
tive notícias um outro dia
que judiou mais meu coração
o seu ary morreu foi embora
e a gaita velha foi no caixão

refrão

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Tenho saudades da minha terra em cima da serra onde eu nasci a verde mata temperou meu sangue por isso nunca eu te esqueci
Que Droga de Vida / Infância Frustrada de Teixeirinha

Com uma trajetória de sucesso Teixeirinha em seu LP Que Droga de Vida / Infância Frustrada, lançado em 1982, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Teixeirinha.

Parceiros