Letra da música
Alma Nativa
Joca Martins

CD Dos Ancestrais Até Aqui (1999)


Alma nativa que me "gusta" e sei que tenho
Pois de onde venho se cevava o mate cedo
Trago a coragem das estradas por diante
E algum rompante pra enfrentar meus medos

Trago nas mãos o que a guitarra sempre gosta
E uma resposta no meu canto de fronteira
Quem aprendeu o que a vida tem de bom
Segue seu dom de cantador a vida inteira

O meu destino quem traçou não sei quem foi
Berro de boi, tranco de pingo foi moldado
Sou campo largo porque a vida quis assim
E sou por mim voz e silêncio lado a lado

Tenho a palavra pra entregar na hora certa
Porteira aberta pra quem segue a mesma estrada
E se me calam um silêncio na garganta
É alguém que canta sem a alma dizer nada

Minha alma sabe se mostrar à sua maneira
Se entrega inteira pras vontades que ela tem
Mansa pros versos qual figueira de tapera
Garras de fera quando melhor lhe convém

Sou céu e terra conforme minha saudade
E uma verdade pra cantar por onde ande
Sou mais um desses que o campo por lembrança
Deixou de herança esta alma de Rio Grande.


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

MATE: Só é mate se tiver algum jujo (chá) junto com a erva.

TRANCO: Andadura lenta dos eguariços.

PINGO: Afetivo de cavalo de estimação.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Alma nativa que me "gusta" e sei que tenho Pois de onde venho se cevava o mate cedo Trago a coragem das estradas por diante E algum rompante pra enfrentar meus medos
Dos Ancestrais Até Aqui de Joca Martins

Com uma trajetória de sucesso Joca Martins em seu CD Dos Ancestrais Até Aqui, lançado em 1999, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Joca Martins.

Parceiros