Letra da música
A Gaita do Belizário
Tchê Barbaridade

CD 20 Grandes Sucessos (2000)


Quando me lembro dos pagos nos dias de castração
O laço corria frouxo, o mate de mão em mão
O touro brabo berrava pra se escapar do peão
Mas a faca castradeira fazia o serviço no chão

me lembro da tia picucha que era surda de um ouvido
Andava sempre brigando com um fogão velho entupido
Chegava de meio-dia tava tudo a "resolvido"
Servia pra peonada cuião de touro cozido

enquanto os "home" comiam a véia ficava em pé
Gritava de vez em quando: "se sirvam quando quiser
Não usem de cerimônia, tem mais cuião pra quem quer
Se já comeram a vontade, agora é a vez das "muié!"

e as filhas da laudelina gostavam de uma brincadeira
Dançavam com todo mundo no surungo a noite inteira
E a gaita do belizário com o fole qual uma peneira
Levantava a saia delas no balanço da vaneira


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

LAÇO: Apero (acessório) trançado de couro cru, composto de argola, ilhapa, corpo e presilha.

MATE: Só é mate se tiver algum jujo (chá) junto com a erva.

TAVA: O osso do jogo-do-osso.

SURUNGO: Baile de baixa categoria.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) quando me lembro dos pagos nos dias de castração o laço corria frouxo, o mate de mão em mão o touro brabo berrava pra se escapar do peão mas a faca castradeira fazia o serviço no chão
20 Grandes Sucessos de Tchê Barbaridade

Com uma trajetória de sucesso Tchê Barbaridade em seu CD 20 Grandes Sucessos, lançado em 2000, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Tchê Barbaridade.

Parceiros