Letra da música
Tipo à Toa
Dionísio Costa

CD Poeta e Cantador (2008)


Esta música está disponível para ouvir

(Dionísio Costa, José Claro)

Nasci pra viver na farra onde conversa a cordeona
Dengo e choro não me agarra, meu abraço não tem dona
Solito me determino, pra me casar tô sem pressa
E o rumo do meu destino é só pra mim que interessa
Bruxaría não me pega, 'zóio' feio não me marca
Tudo que a sorte me nega, eu ajeito na fuzarca
Me sumo quando anoitece, 'campeá' um retosso no pago
Só volto quando amanhece, repunando fumo e trago

Me chamam de tipo à tôa só porque eu gosto de festa
Se tem tanta coisa boa, não 'vô' 'pegá' o que não presta
(Nem ligo pra o que não presta)

Se tem barulho me chego, pra 'bebê' e 'fazê' fumaça
Tô virado num morcego, de noite eu ando na caça
E os 'pila' que vêm suado, vai num tapa que eu nem vejo
Chego no rancho quebrado e os 'beiço' inchado de beijo
Chinaredo e jogatina tão me rapando o bocó
Sou movido à 'cangibrina' e não caio num gole só
Carestia não me afronta, quem tem pouco, não tem nada
Pois enquanto eu pagá a conta, eu é que enfreno essa eguada


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

RANCHO: Primeira habitação erguida no Continente de São Pedro, edificada com material que abundava no local (leiva, torrão, pedra ou pau-a-pique e barreado), coberto com quincha.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) (Dionísio Costa, José Claro) Nasci pra viver na farra onde conversa a cordeona Dengo e choro não me agarra, meu abraço não tem dona
Poeta e Cantador de Dionísio Costa

Com uma trajetória de sucesso Dionísio Costa em seu CD Poeta e Cantador, lançado em 2008, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Dionísio Costa.

Parceiros