Letra da música
Que Tem Nome de Querência – Marcelo Oliveira
Coxilha Nativista

CD 25ª Coxilha Nativista (2005)


Letra: Gujo Teixeira
Música: Luiz Marenco
Intérprete: Marcelo Oliveira

O campo é assim, meus senhores!
Pedaço meu deste mundo,
Grama forquilha dobrando
Vinda de um solo fecundo.
Extensão do meu viver,
Razão e sobrevivência.
Rancho, arvoredo e galpão,
Que tem nome de querência.

Até pode, um dia desses,
Chegarem pra um mate bueno,
O rancho tem alma grande,
Mesmo de barro e pequeno.
Sombra mansa e prosa amiga
Se encontra bastante ainda,
Água clara de cacimba
Com gosto de boas vindas.

Cada rincão tem seu nome,
Cada lugar tem seu jeito.
Minha querencia é tamanha,
Mas cabe dentro do peito.
Simplicidade nas coisas
Que me fazem mais feliz,
Tem alma e barro o meu rancho,
Bem no sul deste país.

É um olhar de quem fica,
Que me prende facilmente
Num rancho de frente leste,
Um baio a soga na frente.
Quando tomo mais um mate
E estendo a vista em reponte,
Então entendo que a vida
É campo e mais horizonte.

Tenho a luz das madrugadas
Num coto escasso de vela
E um sorriso mais lindo
Do que as flores na janela.
Um motivo todo meu,
Razão, talvez existência.
Num olhar que me abriga
Que tem nome de querência.

Cada rincão tem seu nome
Cada lugar tem seu jeito
Minha querencia é tamanha
Mas cabe dentro do peito

Simplicidade nas coisas
Que me fazem mais feliz
Tem alma e barro o meu rancho
Bem no sul, deste país

Simplicidade nas coisas
Que me fazem mais feliz
Tem alma e barro o meu rancho
Bem no sul, deste país
Tem alma e barro o meu rancho
Bem no sul, deste país

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Letra: Gujo Teixeira Música: Luiz Marenco Intérprete: Marcelo Oliveira
25ª Coxilha Nativista de Coxilha Nativista

Com uma trajetória de sucesso Coxilha Nativista em seu CD 25ª Coxilha Nativista, lançado em 2005, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Coxilha Nativista.

Parceiros