Letra da música
A Linha da Minha Mão
André Teixeira

CD Do Meu Rincão (2018)


Esta música está disponível para ouvir

(Sérgio Carvalho Pereira/André Teixeira)

Aqui no povo, faz anos,
Na beira do rancherio,
Sobre um potreiro vazio
Se armou um toldo de ciganos.
Eu, rapazote aragano,
Sem plata e sem bendição,
Estendi a minha mão
Pra sorte me fazer planos.

Depois me fui pra campanha,
Onde meu pai era peão
E estendi a mesma mão
Pro arreio que me acompanha.

Queimei o couro da palma
A pealos sem tirador.
Engrossei a pele d’alma
Nos cabos de arreador.
Perdi o desenho de volta
Nas voltas do maneador
E o “M” da mão canhota
Tironeando sentador.

Curei das mãos as feridas
Nos barros de corredor.
Borrei a linha da vida
Com tinta de sangrador.

Tirei moirão pra alambrado,
Ferrei roda de carreta,
Senti o coice do arado
E o coice de algum sotreta.
Diz que a vida na campanha
Parece cruzar mais lenta,
Mas até moirão de angico
Um dia o tempo arrebenta.

Peguei na mão do meu pai,
Quando meu velho partiu.
Vi um caminho apagando
Como secura de rio.
A espinho, barro e farpado,
Linha da vida sumiu.
Como é fácil ler a sorte
De um guri do rancherio !

Ela pegou minha mão,
Disse: Campeiro! ...E sorriu.
Cigana pegou as moedas,
Disse: Campeiro! ...E sumiu.

Depois me fui pra campanha,
Onde meu pai era peão
E estendi a mesma mão

Pro arreio que me acompanha.


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

POTREIRO: Pequena invernada onde pastam potros, situado nas imediações de uma Fazenda ou Estância.

MOIRÃO: Palanque de cerca; palavra de origem tupy-guarany, que significa: madeira.

COICE: Tem dois sentidos: Patada violenta de um animal; ou, a 1ª junta de bois cangados.

GURI: menino, garoto (Se usa em outras partes do Brasil)

Compartilhe

(letra e música para ouvir) (Sérgio Carvalho Pereira/André Teixeira) Aqui no povo, faz anos, Na beira do rancherio,
Do Meu Rincão de André Teixeira

Melodias e poemas que cantam a terra, o universo do campo, os sentimentos do gaúcho, seus usos e costumes. Do Meu Rincão é o segundo CD solo do cantor, compositor e violonista André Teixeira e foi preparado de forma cuidadosa respeitando a tradição e as raízes da música regional.
O trabalho está sendo lançado de forma independente, reúne 17 composições do artista em parceria com grandes poetas e conta com as participações especiais de Luiz Marenco e de Marcello Caminha.
Para o artista, o novo trabalho é uma reverência ao campo, ao gaúcho e ao seu rincão, o Rio Grande do Sul. “Canto a minha terra porque eu sou cantor deste lugar e esse é o meu designo, meu elemento e minha vida”, explica.

Parceiros