Letra da música
A Torto e a Direito
Velho Milongueiro

LP Paizinho da Mãe (1989)


Eu sou um índio largado, vou levando a vida a eito
Não ligo pro tal de luxo ando assim de qualquer jeito
Se a estrada é meio larga sendo preciso eu estreito
Não como nada enrolado pra não sentir o efeito.

Comigo não tem tranqueira ando a torto e a direito
Quando a coisa se atravessa eu mato no osso do peito

Sou galo de muita raça qualquer parada eu aceito
Dependo da grisalha dificilmente eu enjeito
Metido a facão sem cabo mas sempre pelo direito
Não faço cama pros outros, onde eu faço eu mesmo deito

Sou amigo dos amigos, nunca tive preconceito
Antes de apertar a mão olho firme pro sujeito
Mostrando um sorriso largo, ando alegre satisfeito
Agradeço ao patrão velho por me fazer deste jeito.


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

EITO: Porção ou área de lavoura sem medidas exatas que era proporcional ao número de escravos escalados para cumprirem uma determinada tarefa naquela área.

PATRÃO: A maior autoridade de uma Estância, Fazenda ou CTG.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Eu sou um índio largado, vou levando a vida a eito Não ligo pro tal de luxo ando assim de qualquer jeito Se a estrada é meio larga sendo preciso eu estreito Não como nada enrolado pra não sentir o efeito.
Paizinho da Mãe de Velho Milongueiro

Com uma trajetória de sucesso Velho Milongueiro em seu LP Paizinho da Mãe, lançado em 1989, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Velho Milongueiro.

Parceiros