Letra da música
Bom Amigo
Velho Milongueiro

LP Não tá Morto quem Peleia (1986)


Procuro fazer amigos toda parte que chego
Eu não refugo perigo, mas arrisco o pelego
Não ando comprando briga, o bom senso é mais bonito
Mas se a situação me obriga ninguém me ganha no grito

Com a vida não se joga por causa de algum gaiato
Ninguém me peala com soga, sou caborteiro de fato;
Eu não provoco baderna e ando sempre sozinho
E mulher só me governa sendo a custa de carinho.

O mundo foi minha escola, nele aprendi de verdade
Certas coisas nem dou bola, mas me vale amizade
Não ando bancando o touro, nem ando arrastando a asa
Só não levo desaforo pra dentro da minha casa.

Barbado eu não aliso, pois me criei meio xucro
Só brigo se for preciso por que briga não dá lucro;
Sabendo brigar comigo eu não brigo com ninguém
Eu sou sempre bom amigo daquele que me quer bem.


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

GAIATO: Cômico, palhaço.

CABORTEIRO: Animal manhoso e infiel, velhaco.

DESAFORO: Insulto.

XUCRO: Selvagem.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Procuro fazer amigos toda parte que chego Eu não refugo perigo, mas arrisco o pelego Não ando comprando briga, o bom senso é mais bonito Mas se a situação me obriga ninguém me ganha no grito
Não tá Morto quem Peleia de Velho Milongueiro

Com uma trajetória de sucesso Velho Milongueiro em seu LP Não tá Morto quem Peleia, lançado em 1986, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Velho Milongueiro.

Parceiros