Letra da música
Carbo de Piá
Telmo de Lima Freitas

LP Alma de Galpão (1980)


Gosto da lida de campo, pois minhas raízes eu deixei por lá.
Tenho minhas estâncias cheias de lembranças gordas para redomoniar.
Me criei juntando as vacas, bombachita curta, pezito no chão,
Tive meu petiço baio, que às vezes por gosto me jogava ao chão.
Me mirava de soslaio, meu petiço baio, sem me contrariar,
Como a me pedir desculpa por me ter jogado nos caraguatá...
Aprendi muito contigo, meu peticito baio, meu garbo de piá,
Só quem já caiu na vida sabe o quanto custa para levantar.
Gosto da lida de campo, pois minhas raízes eu deixei por lá.
Tenho minhas estâncias cheias de lembranças gordas para redomoniar.
Me criei juntando as vacas, bombachita curta, pezito no chão,
Tive meu petiço baio, que às vezes por gosto me jogava ao chão.
Me mirava de soslaio, meu petiço baio, sem me contrariar,
Como a me pedir desculpa por me ter jogado nos caraguatá...
Aprendi muito contigo, meu peticito baio, meu garbo de piá,
Só quem já caiu na vida sabe o quanto custa para levantar.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Gosto da lida de campo, pois minhas raízes eu deixei por lá. Tenho minhas estâncias cheias de lembranças gordas para redomoniar. Me criei juntando as vacas, bombachita curta, pezito no chão, Tive meu petiço baio, que às vezes por gosto me jogava ao chão.
Alma de Galpão de Telmo de Lima Freitas

Com uma trajetória de sucesso Telmo de Lima Freitas em seu LP Alma de Galpão, lançado em 1980, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Telmo de Lima Freitas.

Parceiros