Letra da música
Aluado
Jari Terres

CD Querência da Gauchada (0)


Domei um baio cebruno
Pra “pecha” um temporal
De caráter duvidoso
Mescla de açúcar com sal
Com vinte e um dias de rédea
Já “escumava” no bocal
Volta e meia ele sacode
Meu paysandu oriental

Parece diabo se inventa
Se “arrastá” meio por farra
Outrora me largou manco
Vendendo tudo minhas garras
Mostra a pimenta dos “zoio”
Enruga o lombo e dispara
E esquece o mundo berrando
Manoteando a própria cara.

Por isso chamo aluado
Alma de fraco ou de forte
É tigre fora da jaula
Toreando a vida com a morte
Coiceia a sombra do cusco
Se o relho canta sua sorte
E muda junto com a lua
Nos dias de vento norte

De vez em quando é um cachorro
Do andar das minhas crianças
Larga num trote pro campo
Sereno até na sua estampa
Se assusta com as carqueja
Que com o vento balança
E tenteia a bóia do dia
No cocho da vaca mansa

Quem olha o baio cebruno
Cortando várzea no meio
Pisando o pasto nativo
Com as quatro patas de esteio
Por certo chama a atenção
Meu pingo jogando o freio
Que domei nessa fronteira
Pra ser querência do arreio.

Por isso chamo aluado
Alma de fraco ou de forte
É tigre fora da jaula
Toreando a vida com a morte
Coiceia a sombra do cusco
Se o relho canta sua sorte
E muda junto com a lua
Nos dias de vento norte


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

RELHO: Espécie de açoite.

TROTE: Andadura moderada dos eguariços.

PINGO: Afetivo de cavalo de estimação.

QUERÊNCIA: Lugar onde se gosta de viver; se quer viver; lugar do bem-querer.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Domei um baio cebruno Pra “pecha” um temporal De caráter duvidoso Mescla de açúcar com sal
Querência da Gauchada de Jari Terres

Divulgando seu trabalho, Jari Terres no CD Querência da Gauchada, traz ao público que prestigia música gaúcha, que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul, grandes sucessos da música gaúcha. Veja a discografia de Jari Terres.

Parceiros