Letra da música
Queixo Seco
Iedo Silva

CD 35 Anos de Carreira - Ao Vivo (2013)


Esta música está disponível para ouvir

Venho do topo da serra
Onde faz ninho o gavião
Num trote cortando o chão
De um corredor campo a fora
No tirrim das minhas esporas
Escuto uma melodia
Enquanto a estrela boieira
Assinala um novo dia

No bate casco do flete
Na charla de um assovio
Sigo viajando macio
Nas fofas lãs de carneiro
Que faço por travesseiro
Pra alguma mamota alçada
Enquanto os velhos assossegam
Nas rédeas da madrugada

Em muitas pendengas feias
Um bom rabo de tatu
Fazia acoca o xiru
Desses que só faz enredo
Cantava pro chinaredo
Pra arranjar um pouso na manha
Sovel curto não me enleia
E gato magro não me arranha

Se um dia eu deitar o toso
Bufando pra derrubar
Só raio pra me mata
Sei que de peste não morro
Sou queixo duro não corro
Só respeito à lei sagrada
Se deus me tirar a vida
Faço da morte a sesteada


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

TROTE: Andadura moderada dos eguariços.

CHARLA: Conversa, palestra.

SESTEADA: Breve dormida para descanso após o almoço.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Venho do topo da serra Onde faz ninho o gavião Num trote cortando o chão De um corredor campo a fora
35 Anos de Carreira - Ao Vivo de Iedo Silva

Com uma trajetória de sucesso Iedo Silva em seu CD 35 Anos de Carreira - Ao Vivo, lançado em 2013, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Iedo Silva.

Parceiros