Letra da música
Medley Lentas - Prece Telúrica - Aguentando As Pontas - Canção Para Um Peão Solito
Os Monarcas

DVD Ao Vivo 40 Anos (2012)


Quem me dera nesses versos
Entregar a cada um
Aos homens do universo
A grande prece comum

Chapéu de pança de burro
Garrão de potro puxado
Contra o vento, a voz empurro
Gritando no descampado
"Adonde" foi a riqueza
De campos, matas e serras
Dá pena ver a tristeza
Nos ranchos da minha terra

(Refrão)
Velho Rio Grande bendito
Bendita terra de Bento
Na tua frente, contrito
Invoco teu sentimento
Campeiros tomem tenência
Agora cantem comigo
O telurismo à querência
Que o povo guarda consigo

A pampa reza parada
Na solidão do deserto
A sanga chora calada
Co'a morte sorrindo perto
"Adonde" foi o lirismo
Do majestoso rebanho?
Que pena, tanto egoísmo
Num mundo deste tamanho

(Refrão)

Quem me dera nesses versos
Entregar a cada um
Aos homens do universo
A grande prece comum
Campeiros cantem comigo
O telurismo à querência
Que o povo guarda consigo
Palanqueado na consiência

--------------------


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

PANÇA: Ventre.

POTRO: Cavalo novo que ainda não levou lombilho.

POVO: Vila, distrito.

PAMPA: Descampados cobertos de vegetação rasteira onde a vista se estende ao longe; compreende desde a Província da Pampa Austral, ao sul de Buenos Aires (Argentina) até os limites do RGS com o Estado de Stª Catarina (Brasil).

SANGA: Pequeno córrego, bossoroca.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Quem me dera nesses versos Entregar a cada um Aos homens do universo A grande prece comum

Parceiros