Letra da música
Os Cataventos do Tempo
Jari Terres

CD O Melhor de Jari Terres (2003)


Por estes campos de invernadas da estância
Sofreno o zaino bem em frente a uma tapera
Onde cravada junto a sombra da figueira
Uma cruz grande vai somando primaveras

Cruz de galhos tão antiga quanto o tempo
Que fez macegas crescerem pelo potreiro
Junto às raízes, mesma terra qual semente
Descansa em paz, com certeza, algum campeiro

E os meus olhos, que viveram mananciais
Hoje pararam, contemplando o arvoredo
E um ventito, voa as asas do meu pala
Chega soprando da cacimba algum segredo

Talvez um marco, delimitando divisas
Numa fronteira entre a campanha e o céu
Quantos andantes que cruzaram por aqui
Em reverência ergueram a aba do chapéu

E a cruz de galho, cata-ventos de um tempo
Não gira tanto quanto o tempo que passou
Pela campanha que se perde em invernadas
Quantas mais cruzes o destino já cravou

Quantas mais cruzes o destino já cravou
Feito um angico, que nasce em fundo de campo
Foram um cerne bueno e firme que tombaram
Pois nem o cerne da madeira dura tanto

Compartilhe

(letra e música para ouvir) por estes campos de invernadas da estância sofreno o zaino bem em frente a uma tapera onde cravada junto a sombra da figueira uma cruz grande vai somando primaveras
O Melhor de Jari Terres de Jari Terres

Com uma trajetória de sucesso Jari Terres em seu CD O Melhor de Jari Terres, lançado em 2003, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Jari Terres.

Parceiros