Letra da música
A Trote
Júlio Saldanha

CD Cantigas de Amor e Rio (0)


Braseiros no pensando
Escarcéus no coração
Tem a inconstância do vento
E as rédeas soltas na mão
São potros em reboldosa
Em penca desenfreada
Tem o mundo cor-de-rosa
E tem a paixão da estrada
Não há quem lhes ponha arreios
Trazem cismas de bagual
São moços não usam freio
Maneia canga ou buçal
Mas a vida em seu galope
Não dá alce e corcoveia
E ensina que andando
A trote a rodada é menos feia
E então qual fruto maduro
Que não cai longe do pé
Vão desfraldando futuro
Mesclando razão e fé
É a vez de plantar raízes
Ser semente germinar
Ir pincelando matizes
Por onde quer que se andar
Tomara que o frio do inverno
Não me pegue distraído
E não me apodreça do cerno
Morrendo sem ter vivido


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

PENCA: Carreira com mais de dois parilheiros.

CANGA: Jugo de madeira que serve para cangar bestas (bois).

TROTE: Andadura moderada dos eguariços.

RODADA: Queda do animal com o ginete (campeiro ou domador).

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Braseiros no pensando escarcéus no coração tem a inconstância do vento e as rédeas soltas na mão
Cantigas de Amor e Rio de Júlio Saldanha

Divulgando seu trabalho, Júlio Saldanha no CD Cantigas de Amor e Rio, traz ao público que prestigia música gaúcha, que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul, grandes sucessos da música gaúcha. Veja a discografia de Júlio Saldanha.

Parceiros