Letra da música
Bailanta do Fundão
Garotos de Ouro

CD Garotos de Ouro Ao Vivo (cd duplo) (0)


A indiada bate coxa na bailanta do fundão
Se acolhera com as morochas na penumbra do lampião oi
Num tal de espicha e encolhe a gaitita se desmancha
Pelo trote deste fole até a noite pede cancha
A guampa cheia de canha, vai de um lado pro outro lado
E o chinaredo se assanha neste surungo largado
Numa prosa ao pé da orelha, o xirú roça o bigode
Na bochecha bem vermelha, da changa que se sacode
E prossegue o mano a mano a lo largo no galpão
Num tal de vamo-que-vamo na bailanta do fundão
Não existe china feia, nem gaudério remanchão
Quando a gaita corcoveia, todo mundo dá de mão
Quando o sol ardendo em brasas no fundão dá os costados
Os casais se vão pra casa esquecidos namorados


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

TROTE: Andadura moderada dos eguariços.

CHINAREDO: bordel; onde fica o chinaredo

SURUNGO: Baile de baixa categoria.

XIRÚ: Vivente amigo e companheiro; é um vocábulo síntese da palavra CHE (amigo) e da palavra IRÚ (companheiro).

CHANGA: Pequeno trabalho.

CHINA: Mulher mameluca (primeira companheira do gaúcho).

GAUDÉRIO: Vivente aventureiro que chegou na Pampa, vindo do Brasil-central; não tinha profissão definida, nem morada certa e não se amarrava ao coração de uma só mulher

Compartilhe

(letra e música para ouvir) a indiada bate coxa na bailanta do fundão se acolhera com as morochas na penumbra do lampião oi num tal de espicha e encolhe a gaitita se desmancha pelo trote deste fole até a noite pede cancha

Parceiros