Letra da música
Lira da Noite
Wilson Paim

CD Lira da Noite (1996)


Esta música está disponível para ouvir

Cai a tarde na imensidão do campo
O sol se vai e a tristeza invade
O inverno vem das cinzas dos seus
Plantar nos corações silêncio e saudade
Se foi o tempo de luz e calor
Só resta o frio a maltratar viventes
Maltrata o pasto envidraçado de geada,
E de tristeza o coração da gente
Maltrata o pasto envidraçado de geada,
E de tristeza o coração da gente

(Refrão)
A lua ilumina esse ar parado
Já é madrugada, príncipe o chimarrão
A estrela D'Alva é uma espora,
Que sangrando a noite
Ascende a aurora e os braseiros do fogão

(Repete o Refrão)

É longa espera pra raiar o dia
E tanta coisa vai se consumindo,
Mas a esperança, buena e companheira
Um tempo novo em outros sóis vão construindo
Se a noite é frio, há sonhos e anseios
Na primavera que um dia virá
Parindo flores nos beirais das sangas
E adoçando pitangas e araças
Parindo flores nos beirais das sangas
E adoçando pitangas e araças

(Repete o Refrão 2x)

Ascende a aurora e os braseiros do fogão
Ascende a aurora e os braseiros do fogão

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Cai a tarde na imensidão do campo O sol se vai e a tristeza invade O inverno vem das cinzas dos seus Plantar nos corações silêncio e saudade
Lira da Noite de Wilson Paim

Com uma trajetória de sucesso Wilson Paim em seu CD Lira da Noite, lançado em 1996, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Wilson Paim.

Rádio On-line

Parceiros