Letra da música
Canção de Ternura
Os Monarcas

CD Rodeio da Vida (1995)


Quando a saudade rompe a véu da tarde
Chega a meu peito sem dar um oh, de casa
Mudando o passo e o compasso lento
De um coração que vive ardendo em brasa.
Aprisionado por um longo abraço
Como se a amada viesse nesse instante
Num pensamento, sigo ensimesmado
Seguindo o rastro de um olhar distante.

Pego um violão e canto ternamente
Seguindo as notas, sendas que persigo
Oh, minha amada meu pequeno mundo
Como é sublime namorar contigo.

Os passarinhos lá nos arvoredos
Cantam prelúdios pra aliviar meu pranto
E num repente surge lá na estrada
Aquela prenda que seguiu meu canto.
Doce ternura em teus lindos olhos
Faltava o brilho pra dar vidas as cores
Esse recanto sem o teu sorriso
É a primavera sem brotar as flores.


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

PRENDA: Jóia, relíquia, presente (dádiva) de valor; em sentido figurado, é a moça gaúcha porque ela é jóia do gaúcho.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) Quando a saudade rompe a véu da tarde Chega a meu peito sem dar um oh, de casa Mudando o passo e o compasso lento De um coração que vive ardendo em brasa.
Rodeio da Vida de Os Monarcas

Com uma trajetória de sucesso Os Monarcas em seu CD Rodeio da Vida, lançado em 1995, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Os Monarcas.

Parceiros