Letra da música
Anseios
Grupo Querência

LP Anseios (1988)


Esta música está disponível para ouvir

Se tropeio légua a légua
Sem nunca vagar a esmo
É porque conheço os rumos
Das estradas de mim mesmo
Se trago nestes pessuelos
Alguns nacos de horizonte
É porque reparto sonhos
Entre pousos e repontes

Se germinam no meu canto
A semente das estradas
É porque, dentro de mim
Liberdade fez morada

Se procuro escuros olhos
Na densa noite morena
É porque dormem estrelas
No negrume das melenas
Se recruto, em cada catre
O calor de um carinho
É porque falta ternura
Pelas curvas do caminho

Se germinam no meu canto ...

Se tranço os tentos do tempo
Entretendo longa ausência
É porque, depois das idas
Vem a volta pra querência
Se galopo na coxilha
Onde habita a ilusão
É porque não domo as ânsias
Deste potro coração

Se germinam no meu canto ...


Algumas palavras contidas nesta letra estão em nosso dicionário de gauchês

LÉGUA: Medida do sistema sexagesimal.

CATRE: Cama rústica improvisada com o “maneador” passado entre dois varões que unem dois pares de pés em forma de “X”, sobre o que, coloca-se forros (pelegos).

QUERÊNCIA: Lugar onde se gosta de viver; se quer viver; lugar do bem-querer.

COXILHA: Leves ondulações topográficas no terreno.

POTRO: Cavalo novo que ainda não levou lombilho.

Compartilhe

(letra e música para ouvir) se tropeio légua a légua sem nunca vagar a esmo É porque conheço os rumos das estradas de mim mesmo
Anseios de Grupo Querência

Com uma trajetória de sucesso Grupo Querência em seu LP Anseios, lançado em 1988, reporta ao público músicas que reforçam a grandeza e o orgulho pela tradição de cultuar o que é do Sul. Acompanhe e divulgue a música do RS ao som de Grupo Querência.

Parceiros